Morpho achilles achilles (Linaeus, 1758)

A subespécie Morpho a. achilles  é provavelmente o mais representativo Morpho da vasta Amazônia. Mesmo quando populações de outras borboletas declinam em função de fatores climáticos, esta subespécie de Lineu, pode ser vista o ano todo estando presente em quase todas as biotas com seu vôo rápido, irregular, geralmente a dois metros do solo, em trilhas ou mesmo no mais denso da floresta.
Passa horas da tarde alimentando-se de substâncias em fermentação, líquidos oriundos de frutos maduros caídos ao chão, sendo dificilmente percebida, pois as asas fechadas apresentam um padrão sombrio que se confunde com o solo da mata. À tarde, as fêmeas vão à procura de diversas Fabaceae para postura sobre as folhas velhas do vegetal.
Seus ovos tem aproximadamente 2,5mm. Em cativeiro, desovam facilmente sobre Poecilanthe effusa (Fabaceae).
As lagartas alimentam-se de diversas leguminosas do sub-bosque da hiléia. São solitárias, crepusculares, escuras e homocrômicas. Após três meses, quando desenvolvidas (atingem cerca de 60mm), ocultam-se durante o dia; perto da ninfose, dispersam-se e adquirem uma tonalidade esverdeada, fixando-se em folha próxima ao solo úmido.
As crisálidas, também esverdeadas medem cerca de 30mm.
 

Photo by Luiz S. Otero
Photo by Luiz S. Otero
Photo by Luiz S. Otero
Photo by Luiz Claudio Marigo