PREPARANDO ENVELOPES ENTOMOLÓGICOS

O envelope para reservar os espécimes coletados deve ser feito usando-se papel-vegetal ou papel-manteiga, pois dessa forma se pode visualizar e reconhecer o espécime contido em cada envelope sem que seja necessário abri-lo.  Todo o processo de preparação do envelope é um trabalho de dobradura de papel, conforme a ilustração abaixo, bastando seguir as etapas onde as dimensões do envelope podem variar, dependendo do tamanho do espécime para qual este se destina, mas as proporções devem ser constantes como no desenho.  A última etapa exibe o aspecto de um envelope contendo um exemplar capturado.

 Obs:  De certo modo, voce pode utilizar qualquer papel para fazer os envelopes, até mesmo jornal, quando o objetivo é apenas o transporte ordinário dos insetos, até mesmo ainda vivos, por exemplo, quando voce deseja levar os espécimes que voce criou em casa para o seu habitat natural.  Isso imobiliza os insetos e evita que se estressem e se danifiquem na viagem.
No caso de insetos que não estejam vivos, pode-se usar pepel branco opaco, quando todas as informações sobre aquele exemplar estão anotadas no envelope, dispensando a necessidade de se visualizar o inseto que está dentro deste.