ESTICANDO SEU ESPÉCIME

A finalidade de se "esticar" as asas do lepidóptero é garantir que possam ser vistos o maior número de detalhes das asas do inseto sem a necessidade de manuseá-lo diretamente. Ao se abrir as asas do um lepidóptero que acabou de ser alfinetado, o que se vê são as asas do inseto em sua posição normal de vôo, um posicionamento que dá ao inseto o formato aerodinâmico perfeito para se deslocar com facilidade, mesmo enfrentando os ventos, apesar do pouco peso.  Nessa posição as asas anteriores estão normalmente encobrindo as posteriores quase que totalmente.  Há quem prefira manter o inseto nessa posição, ou por opção ou talvez por temer danificar as asas do inseto ao manipulá-las.
Para posicionar as asas do inseto corretamente voce pode utilizar uma pinça ou mesmo os dedos, desde que tenha o cuidado indispensável para realizar isso sem ferir as asas.  Por vezes os dedos são melhores pois voce tem como sentir a resistência da asa e não ultrapassar o limite que poderia rompe-la, caso proseguisse.  Veja o passo-a-passo ilustrado abaixo:
 
Após fixar o inseto por meio de um alfinete, espete-o no centro da calha do esticador, soprando as asas do inseto até que se perceba que as asas estão alinhadas com a superfície do esticador.  O inseto não deve estar muito acima nem muito abaixo do ponto em que as asas repousam sobre as pranchas, para que estas não acabem arqueadas.  Uma vez acertado esse ponto, recorta-se duas tiras longas e finas de polyéster e posiciona-se estas sobre as asas, conforme a ilustração, para mantê-las abertas (deve-se tomar cuidado com o fechamento das asas após o inseto estar fixado no alfinete, a cabeça do alfinete pode danificar a asa ao atritar com ela).
Gentilmente posicione seu dedo sob a margem externa da asa anterior, apoiando-a sobre a unha, pois esta por ser lisa, não irá danificar as escamas da asa (a fixação das escamas da face externa/inferior das asas é mais resistente do que a da face interna/superior). 
Lentamente avance com a asa até que a margem interna da asa fique em posição transversal ao corpo do inseto (por um momento talvez seja necessário posicionar alguns alfinetes em torno do abdomem do inseto, para que o corpo não gire, acompanhando o avanço da asa).  Com a asa na posição correta, fixe alguns alfinetes na tira de polyéster, bem próximos à margem da asa, de modo que a pressão dos alfinetes retenha a asa naquele ponto.

A tranparência relativa do polyéster é suficiente para que se possa visualizar a asa do inseto, e espetar esses alfinetes em um ponto bem próximo da asa. NUNCA ESPETE O ALFINETE  DIRETAMENTE NA ASA DO INSETO! A pressão que os alfinetes exercem sobre o polyéster, estando bem próximos da asa, é suficiente para retê-la.  Repita o processo com a asa anterior oposta, posicionando-a de modo que a margem interna desta se alinhe com aquela asa que já está esticada (Algumas espécies possuem a margem interna da asa com recortes angulosos.  Use o bom senso para atingir uma posição adequada).
 
Uma vez já posicionadas as asas anteriores, avance as asas posteriores usando o mesmo processo, até que apenas uma parte da primeira nervura da asa posterior fique visível.  Atingida essa posição. Com a outra mão estique a tira de polyéster que já retém a asa anterior comprimindo a asa sobre o esticador, de modo que a pressão do polyéster retenha a asa posterior naquela posição.  Nesse momento a mão com a qual era elevada a asa fica livre, então se pode fixar mais alguns alfinetes no polyester, dessa vez na margem da asa posterior.  Repita o processo com a asa oposta.
Uma vez realizadas todas essas etapas, o lepidóptero já está corretamente esticado.  Contudo as superfícies das asas em descoberto podem se retorcer. Para prevenir isso recorte tiras de polyéster largas o bastante para cobrir estas áreas das asas e fixe-as com alfinetes ao longo das margens.
 
Uma vez que as asas estão prontas, verifique a posição das antenas.  Estas devem estar bem visíveis e, dentro do possível, alinhadas.  Voce pode forçá-las na posição adequada contendo-as com alfinetes fixados diretamente dentro da calha do esticador. O mesmo também deve ser feito caso o abdomem do inseto caso não esteja alinhado harmonicamente com o restante do corpo.  Alguns alfinetes cruzados irão mantê-lo na posição correta até o momento do espécime ser transferido para a coleção.

USANDO UMA PINÇA PARA POSICIONAR AS ASAS NO ESTICADOR


Voce pode utilizar uma pinça para mover as asas de seu espécime.

Segure firmemente a asa e avance, puxando sem articular a pinça.

Se acidentalmente voce girar a pinça no ponto de contato com a asa, esta será severamente danificada.